E-commerce brasileiro fatura R$ 16 bi no 1º semestre de 2014

e-commerce WebShoppers 30O E-bit, empresa que analisa o e-commerce no Brasil, divulgou a 30ª edição do Relatório WebShoppers com dados do setor coletados durante o primeiro semestre de 2014.O balanço geral do período foi positivo e apontou crescimento em praticamente todos os itens analisados pela empresa. O faturamento do e-commerce aumentou 26% em relação ao mesmo período de 2013, chegando a R$ 16,06 bilhões, ante os R$ 12,74 bilhões registrados em 2014. Nada mau, quando consideramos que tivemos um início de ano atípico, com carnaval tardio e Copa do Mundo, distraindo as atenções dos consumidores.

Foram registrados 48,17 milhões de pedidos, 36% a mais que no primeiro semestre de 2013. Um dos fatores responsáveis pelo crescimento das vendas foi a entrada de novos consumidores no varejo online, que, até junho, representava 5,06 milhões. O crescimento foi de 27% em relação ao primeiro semestre do ano passado.

O tíquete médio do e-commerce no primeiro semestre foi de R$ 333,40. Em 2013, foi registrado um valor médio mais alto para as compras online, R$ 359,48.

A Categoria de Moda e Acessórios, com 18% de participação no total de vendas do setor de e-commerce, encabeça a lista dos segmentos com o melhor desempenho em volume de vendas. Em seguida, Cosméticos e Perfumaria (16%), Eletrodomésticos (11%), Livros / Assinaturas e Revistas (8%), Telefonia / Celulares (7%), Informática (7%), Casa e Decoração (6%), Eletrônicos (6%), Esporte e Lazer (5%), Brinquedos e Games (2%).

A política do frete grátis se mostra como grande incentivador de compras para atrair o consumidor online. Em junho de 2013, 62% utilizaram-se desta prática ante 38% que contaram com frete pago, neste ano no mesmo mês o cenário mudou, com adesão do frete grátis por 50%.

Compras no e-commerce por dispositivos móveis

As compras por dispositivos móveis no e-commerce, o chamado Mobile Commerce ou m-commerce, apresentou um crescimento de 84% em um ano. A participação era de 3,8% em junho/2013 e saltou para 7% junho/2014.

60% das compras no m-commerce originaram de tablets, enquanto os 40% restantes são de smartphones (via sites sem uso de APPs). As três categorias mais vendidas através de dispositivos móveis foram Moda e Acessórios (17,5%), Cosméticos, Perfumaria e Saúde (17,4%) e Eletrodomésticos (11,1%).

O faturamento mais que dobrou, apresentando R$ 1,13 bilhão, diante dos R$ 560 milhões do ano passado, uma variação de 102%. 57% dos m-consumidores são de mulheres de 35 e 49 anos (39%). Os homens representam os 43% restantes com mesma média feminina por idade.

Consumidores das classes A e B respondem por 64% dos participantes do e-commerce por dispositivos móveis. As classes C e D representam 25%. Os outros 11% não quiseram informar a renda.

Previsões para o e-commerce em 2014

– O faturamento no ano de 2014 deve chegar a R$ 35 bilhões (21% maior que em 2013)
– 104 milhões de pedidos devem ser registrados no comércio eletrônico brasileiro.
– Até o final do ano, a expectativa é que 11,6 milhões de consumidores realizem a primeira compra pela internet.
– A expectativa é que até o final de 2014 o e-commerce tenha atraído 63 milhões de e-consumidores.

Veja o relatório completo

Acesse também:
Taxa de abandono de carrinho no e-commerce é tema de estudo do IBOPE
Loja virtual para supermercados
WebShoppers 29ª Edição

Comentários encerrados.